rss search

Meu presente é o meu melhor momento.

line Meu presente é o meu melhor momento.

Exatamente isso.

Embora eu tenha sido descrente de muitas religiões, (ops, ainda sou!) sempre procurei pela essência da vida. Um pouco de espiritualismo, um pouco de sentido na vida.

Talvez esse tal *sentido* que eu me refiro no momento, sempre esteve lá, no fundo, esperando pela porta ser aberta, ou uma pequena fresta da janela refletir alguma luz. Acho que eu sempre pude vê-la, senti-la, talvez eu até cheguei a tocá-la, mas por algum motivo, ou vários motivos, deixei-a lá, sem incomodá-la e sem querer ser incomodada.

Acontece que, não sou nem religiosa nem atéia. Acredito sim, em um Ser superior, Algo magnífico que é responsável pela essência de todas as essências. Também não sou agnóstica, pois reconheço esse Ser que também habita em mim.

Já provei de experiências do Espiritismo, Cristianismo e outros *ismos* que nunca achei assim tão relevante e nunca tocou o meu ego. Nunca nem senti algum *Deus* ou essência em seus livros, palavras ou igrejas.

Mas posso afirmar agora, nesse exato momento e desde algum tempo atrás, que minha admiração, atenção e meu *EU* estão totalmente voltados ao Budismo.

Maravilhoso. Nunca um ensinamento teve tanto poder em mim como o Budismo. E eu sempre evitei ou nunca dei a menor bola durante todo esse tempo, bem debaixo de meu nariz e eu nunca sentia a vontade de conhecer nem mesmo a sua história.

É como se, a porta de repente fosse aberta como a última opção. Não é nem uma fresta da janela, nem uma pontinha de luz, mas sim a porta escancarada na minha cara. -É ISSO! Era isso que eu buscava todo esse tempo!

Me responde perguntas que eu NUNCA FIZ! Me abre os olhos de um modo que eu NUNCA VI antes! Me faz ouvir de um jeito que eu NUNCA ESCUTEI! Me faz sentir que há essência na vida! Simples assim!…

E bem debaixo de meus olhos! Morando ao meu lado! Aqui, nesse país Budista, em todos os cantos, e eu NUNCA percebi que bem aqui, estava a resposta que eu tanto procurava e nem sabia das próprias perguntas!

Que incrível… Que coisa… A vida é engraçada ou tá tirando onda com a minha cara 😀

Quando assisti ao documetário do *O segredo da Felicidade*, baseado no Livro de Eckhart Tolle-O Poder do Agora, eu entendi completamente tudo, todas as palavras, resolvi comprar o livro e entendi mais ainda! Como se tudo que ali está escrito, falasse a minha língua. Eu só precisava descobrir que EXISTIA e eu precisava colocar em prática! Agora!

Para mim foi como retirar a esperança da caixa de Pandora. Pois até então, já havia perdido o sentido da vida e sua essência…

Passei um tempinho selecionando livros, documentários e pesquisando a fundo sobre o Budismo. E posso afirmar que encontrei o meu caminho e estou disposta à percorrê-lo.

Era exatamente isso que eu nunca achei que procurava um dia. Não sabia exatamente o que estava faltando. Mas algo faltava e isso me deixava incompleta, inquieta e indiferente, compreendo que, eu preferia ser atéia do que acreditar em um deus ranzinza, medonho e calculista de tantas religiões, pra mim, mesmo que o Budismo não seja uma religião e sim um estilo de vida, também acredito em um Criador, e esse Criador não pode ser o mesmo que leva seus filhos à guerra e condena as pessoas à morte. Também não é o mesmo que retira direitos de decidir ou julga as ações do humano. E eu tenho certeza que Ele está dentro de cada um de nós.

Mas quem é Deus?

Eu sei quem foi Siddhartha Gautama.

E o meu Agora é o meu melhor momento.

Já curei as feridas do passado, já perdoei e já esqueci, ah! Passado já não vive mais. Meu futuro deixo para amanhã, enquanto isso, vou viver o meu Agora, é o que eu tenho de melhor para fazer!

opoderdoagora.jpg

Para refletir…

Como diz um dos Poemas mais Célebres do Taoísmo, no silêncio e no vazio todas as coisas estão presentes em potencial. A mente é como um copo : Antes de enchê-la, devemos esvaziá-la. Do vazio e do não ser surge a criatividade.

Uma das histórias da tradição taoísta fala da dificuldade que temos em viver além do ruído das palavras.

Num templo distante, erguido nas montanhas do Japão, quatro monges decidiram fazer um retiro que exigia silêncio absoluto. O frio era intenso e, quando uma onda de ar gelado entrou no templo, o monge mais jovem disse :

-A vela se apagou!

Por que você está falando? – repreendeu o monge mais idoso. – Estamos fazendo uma cura pelo silêncio!

Não entendo por que vocês estão falando em vez de calarem a boca, como foi combinado! – gritou o terceiro monge, indignado.

Eu sou o único que não disse nada! – declarou, satisfeito, o quarto monge.

(Retirado de Nietzsche, para estressados)



Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *